domingo, 12 de outubro de 2014

012 A boneca azul e o forno da solidão

 

“É vedada a utilização de quaisquer informações contidas nestas publicações, sem autorização expressa de seu autor, sob pena de indenização judicial.”

A força, a beleza, a arte, a ciência e as virtudes constituem-se em valores infinitamente grandiosos, embora imateriais, formando a consistência de nossa individual espiritualidade.  É a institucionalizada dualidade entre as ações físicas e as espirituais, que forma tensão de variáveis intensidades e sentidos. Certamente é esta a mais antiga e radical causa que divide os humanos.

Vejamos, pois, o exemplo de uma vela:

Quando acesa num ambiente escuro, ela inunda o ar de sentidos, dá cores e formas a todos os objetos. Revela as tantas expressões de nossas faces, o brilho de nossos olhos e mentes...   Tal um imã, atrai e completa os nossos espíritos, anima nossas mentes, traz as letras do que desejamos ler, apresenta tudo o que queremos procurar, ilumina nosso caminho.   Sua energia invade nossa alma e sua luz excede aos lógicos princípios das ciências.

Assim como sua origem, no radical sânscrito, o vocábulo “Deus” significa dia, luminosidade, a essência da luz.

A diferença, pois, entre uma vela acesa e uma apagada não se resume apenas na sua chama. É sim, substancialmente incomparável.

vela E, navegando neste mar incorpóreo, o conto que segue, foi laureado no 25º Concurso de Contos Paulo Leminski, para meu intenso júbilo e de todos os que me honram visitar e ler minhas despretenciosas letras.. 

A boneca azul e o forno da solidão

Depois de um estafante dia de trabalho, sigo diligente os meus noturnos passos, cadenciados e alinhados sobre a cerâmica polida, a qual reflete o voo das fluorescentes do teto, rasantes e acesas, contrárias ao meu curso. Neste corredor vazio do labirinto hospitalar, sigo a rota para o aconchego do merecido descanso no reduto dos meus sonhos.

Ouço ainda os reverberados e decorrentes sons de dores, choros, agulhas, gemidos, macas, soros e sangues das mal dormidas outras noites.

O movimento levemente ondulado a cada passada, induz meus olhos a acompanhar, naquele chão reluzente, os coloridos ladrilhos desencontrados, geometricamente simétricos, de onde erguem-se as austeras e metálicas portas. Elas envolvem-me rangendo e passam, como se não fosse eu o seu preferido petisco. Perfilam-se grades e correm para trás, aos meus passos, em rígidas filas militares.

Meus olhos varam uma colorida prisão de pássaros inocentes e engaiolados em meio a flores murchas no jardim contíguo à enfermaria infantil. Ameaçam meus ouvidos, com os trinados de protesto. Esvoaçam eles, doidos elétricos e em vão, a tentar sacudir os poleiros rígidos. Choram a falta da liberdade dos céus e o embalo dos ventos. Rápidos e bruscos, estancam seus brados quando ouvem o grito de uma criança. Reverberado clamor, em gozo e vitória do atendente sonolento, ao enfiar a agulha no desespero de uma carne infantil. Rasga as vivas e tenras fibras, a pendular a seringa tal um badalo de sino, ante o esperneio agitado e o choro sufocante da insignificante vítima.

Ao atravessar o tal florido, minha mesma mão que torceu as polidas e contaminadas frias maçanetas, acaricia agora as mornas pétalas do manso canteiro de flores orvalhadas a também deslizarem para trás. Como foram, estão indo e irão todos os meus luzentes dias.

Rompe-se a perspectiva linear num quebrar silencioso: dobro à esquerda no sombrio corredor.

Troco então as doenças da primeira classe pelas agonias da segunda. Barbudos, barrigudos, desnutridos, semimortos. Fiapos de gente, mal embrulhados em enodoados coloridos e puídos panos velhos.

Formam uma galeria de quadros diferentes, cada qual uma dor estranha, com variados formatos, cores, tamanhos, súplicas e odores. Comuns e exatamente iguais nos olhares.

Seus olhos sugerem vagas flechas de cristal morto que me alvejam e me sentem fisgado até que me afasto, além dos limites de uma porta sem folha.

Manifestam-se tais corpos de combustão morna, assim como a sopa que receberam.

Um “boa noite doutor”, feminino e sussurrado, vaza minha emoção dissimulada. Meus passos são mais rápidos que a difícil resposta.

Outra massa inerte e horizontal, com o semblante confundido ao próprio branco e amarrotado lençol que pouco cobre, desliza na maca empurrada pela atendente. Mais um peso disforme e fraco. Como se o próprio espírito dele se tivesse divorciado e ficado apenas o corpo, num leve balanço ao movimento das rodinhas no ritmo das emendas do piso.

Percorro o grosseiro depósito que regurgita emanações voláteis, envolvido por múltiplas cores, na miscelânea química dos alcoóis, bálsamos, purgativos, bismutos, quininos, sulfas, antissépticos,... Tão calmantes como excitantes. Em todas as formas e texturas sólidas ou gasosas, líquidas ou gosmentas, eles mantêm engatilhada sua estudada diagramação visual, à espera que o consumidor bicho homem comprometa o fígado para, feliz, salvar os brônquios; destrua o estômago para, contente, preservar o coração e assim por diante.

Esbarro na auxiliar nojenta, obesa e desajeitada, tanto quanto a indigesta notícia que me dá:

“ Morreu a criança do Funrural”.

Prometo dormir com a imagem de seu meigo e debilitado sorriso de anteontem, quando lhe dei uma boneca pálida, com vestidinho azul.

Três passos à esquerda e a chave do meu humilde aposento está escondida na báscula do sanitário.

Temporário e quente cubículo, qual um forno da solidão. Meu noturno e leniente cárcere de paredes anil. Tal azul a única boneca da criança menina.

Dormirei tão quente quanto sua febre, e tão só quanto sua alma.

ambulânciaA ilha da imagem não revela o mar do conto (DD 2014)

 

Saudável reflexão do dia:

“O orgulho não é mais que um edema, é grande mas não é sadio” (Santo Agostinho)

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

011 - Vara Cível

 

“É vedada a utilização de quaisquer informações contidas nestas publicações, sem autorização expressa de seu autor, sob pena de indenização judicial.”

A ficção construída no terreno das verdades – 898012

Vara é um vocábulo que teve origem no antigo Império Latino, onde significava “galho flexível” e com o mesmo sentido atual, de haste vegetal, delgada e longa, normalmente ainda utilizada para bater nos flancos animais e nas nádegas infantes. Termo já usado para unidade de medida, hoje comum como vara de pesca, salto com vara,…

Vara 1

Na Roma Clássica (século II a.C.) um feixe de varas encimado por um machado era o símbolo da magistratura, como autoridade representada (poder do imperador).        No passado próximo, tivemos esta representação do feixe de varas como símbolo do movimento fascista, fundado em Milão em março de 1919 por Benito Mussolini. (fáscio = feixe de varas)

Vara 2

Cível, também de origem latínica romana, vem de “cívilis”, termo jurisprudente e relativo com especificidade ao indivíduo do povo, em suas relações entre si, não militar nem eclesiástico.    Assim como civis eram considerados os tratamentos generalizados e dirigidos à comunidade romana, submetida, standardizada e tributável.

Foi no período de Júlio César, que os procedimentos judiciais passaram a ser divididos em três grupos: os julgados nas cortes militares, na jurisdição eclesiástica (que depois veio a organizar as bases do Direito) e pelas “varas” cíveis.         Apenas as contendas sem envolvimento militar ou eclesiástico eram tratadas como civis. Assim, bastava que algum assunto ou contendor fosse desconsiderado civil, para o julgamento merecer os mortais rigores militares ou pior: o fogo eclesiástico!

Vara 3

No caso epigrafado, a “Vara Cível” consistia na punição do civil julgado culpado, que era submetido às dolorosas chagas das intermitentes e violentas “varadas”.

O apenado era apresentado em praça pública, nu, genuflexado e com os pulsos amarrados entre si e aos joelhos, sendo-lhe então aplicados golpes de vara em número proporcional à gravidade de seu suposto dolo.

Vara 4

As varas utilizadas eram depois queimadas para que o sangue e as fezes que as envolviam não contaminasse algum honesto cidadão.

(Da série “Ad perpetuam rei memoriam”, presente no livro “Apenas”, a ser lançado em agosto de 2014 -  UolRad ÖbsiRad / since 1947)

quinta-feira, 17 de julho de 2014

010 - A Graça de Viajar

(Lebensraum: o espaço vital)

Então Deus, misericordioso e onipotente, fez a luz, a terra, o céu e o homem, dentre uma infinidade de tantas outras graças divinas.  Da luz, nós homens descobrimos o céu e a terra.  E da terra, abrimos nossos caminhos e iluminamos nossas vidas com as sagradas cores do firmamento.  Então, devidamente ferramentados, concebemos nossos abrigos casas, inventamos as rodas e suas tantas derivadas.  Daí, em poucos milênios, os mais iluminados souberam atrelar as rodas nas casas, juntar suas amadas rainhas e carregar as tralhas pelos tantos maravilhosos caminhos, compartilhando alegrias com outros pares.  Aproveitemos, pois, nossas casas móveis, como uma das graças divinas.

509a

O Criador coloca suas obras à nossa disposição (Suiça)

Sim, todos fomos criados à imagem e semelhança do Criador, mas somos diferentes entre nós. Alguns altos, outros baixos, sorridentes ou carrancudos, magros ou gordos, carecas ou cabeludos,.... Assim também nos distinguimos quanto ao nomadismo ou sedentarismo, pois que muitos gostam de viajar e outros não.

Afirma o renomado sociólogo italiano Domenico de Mazi que:

“Uma parte dentro de nós sente a necessidade de um lugar inalterável para guardar os chinelos, um lar permanente onde possa sempre viver. Outra parte sente uma espécie de horror ao domicílio fixo e deseja vagar pelo mundo. Por vezes uma destas tendências prevalece, outras vezes se alternam e, em alguns casos lutam entre si. (...) O nômade conserva um segredo de felicidade que o cidadão (sedentário) perdeu”.

Na história da humanidade, sabe-se que o mais antigo viajante conhecido é a Lucy. Seu esqueleto está preservado como o mais vetusto remanescente humano. Tinha cerca de vinte anos quando faleceu, havia aprendido a caminhar na posição ereta e era nômade. Viveu onde hoje é a Etiópia, há mais de um milhão de anos, e jamais pernoitava na mesma árvore. Viajava continuamente, procurando segurança, alimento e fugindo dos muitos predadores.

O exemplo oposto é de um casal, que conheci há meio século, vizinhos de meu avô. Eles moravam numa residência suficientemente autônoma, com pomar, horta, fonte de água, invejável biblioteca, pequeno moinho para produção de farinhas,... Possuíam até um gerador eólico (na época denominado catavento) para iluminação (6 Volts) e funcionamento de um rádio. Mas a insólita característica é que nunca saíam de casa. Visitávamos eles sempre na época do Natal, quando comentavam sobre o tempo decorrido desde a última saída, poucas vezes naquelas últimas décadas...

508a

O monocromático aconchego no frio dos Pirineus

Para nós “motorhomistas”, embora eu discorde da posição radical do citado “horror ao domicílio físico”, suponho que pertencemos à segunda tendência, em nossas admiráveis casas rodantes. Assim, conciliamos um restrito sedentarismo ao ilimitado nomadismo em nosso pequeno grande mundo.

No motorhome, sabemos combinar o conforto e aconchego da residência com a primazia da liberdade do deslocamento. Nas palavras de um digno médico e motorhomista, de Pelotas/RS: “nada substitui transportar nossos próprios cheirinhos”. Realmente, não estivéssemos em nossos motorhomes, cada hotel incorporaria estranhos odores, assim como as imóveis e mofadas casas de férias.

Embora o desafio entre o sedentário e o nômade exista há mais de cinco mil anos, quando passamos a constituir cidades, o “vírus” viajante que mora em cada um de nós desassossega-se e estimula nosso desejo de viajar.

210 Silenciemos ante o magnífico adormecer de Rá  - o Rei dorme no Pacífico 

São nestes percursos que constituímos as amizades, descobrimos novos horizontes, conhecemos outras filosofias de vida, aprendemos a compreender a natureza e a melhor usufruir da própria vida.

Foi através das viagens que o homem progrediu, caso contrário não teríamos a América, a bússola, o avião. Nem o conhecimento dos milênios das terras distantes.   Não fosse o mercador Marco Pólo trazer o macarrão da China para a Itália, as caravanas buscarem condimentos da Índia para a Europa,.. não desfrutaríamos das tantas delícias.  O português Magalhães não teria circunavegado a Terra, antes “quadrada”, ou nem existiríamos, pois que foram as viagens que trouxeram os antepassados e nossas sementes para cá! E sem os “bandeirantes” ainda estaríamos divididos.

175a  Laguna

Ali em Laguna/SC seria o divisor entre as terras lusas e espanholas!

No século passado, os livros que relatavam viagens, tiveram seu maior sucesso, proporcionando ao leitor, sem disponibilidade financeira para tal, a astuciosa ilusão de acompanhar o percurso.  Muitas viagens foram motivos de grandes apostas pelo seu sucesso ou fracasso, temas até de filmes clássicos de ficção como o pioneiro “Viagem à Lua” (1896) e o poli reiterado “Volta ao Mundo em 80 dias”.

A viagem promove em nossa mente o desenvolvimento de novos processos cognitivos e atividades psicológicas, decorrentes das diferentes fontes então vividas, aprimorando formas de compreensão, percepção e imaginação.  As experiências incorporadas impõem ao nosso intelecto uma flexibilidade para poder lidar com pessoas, momentos e lugares diferentes, assimilar distintas realidades e resolver obstáculos e contratempos sem precedentes.

Todas as experiências de viagens nos excitam a criatividade. O gênio extraordinário que foi Mozart, certamente não teria o imortal sucesso, não fosse seu deslocamento por todo o mundo desde a infância.

Assim posto, dentre outros tantos prazeres ofertados pelo Criador, usufruamos desta fantástica “Graça de Viajar”.

Afinal, o sublime prazer da chegada curva-se ante a majestade do percurso.

103a S R Rastro

Desta janela para o mundo, concluímos quão pequenos somos ao infinito do universo

e quão grandes ao merecer e usufruir tais bênçãos do Supremo Arquiteto.

Darlou D’Arisbo

quinta-feira, 10 de julho de 2014

009 - O Caminho das Vacas

 

A retilínea aparência de uma premeditada ação, não é, necessariamente, seu melhor caminho, mas serve para uma racional reflexão.

Vejo as vacas caminhando através do pasto, abrindo curiosos sulcos desorientados. Elas não acompanham a topografia plana e vão partindo em ângulo até um velho ipê, contornando-o pelo lado errado, seguindo em arco pelo canto interno da cerca até uma velha porteira, sempre aberta. Depois seguem por espaços entre grandes pedras, quando numa reta poderiam desviá-las, mudando bruscamente o rumo até uma cerejeira-do-mato e descendo até o riacho em sinuoso percurso...

Vão e vem em fila, diariamente, centenas de vezes, aprofundando estas serpenteadas trilhas, até o bebedouro, saciar suas sedes…

Sempre respeitosamente, uma atrás da outra, sem qualquer tentativa de ultrapassagem ou de deslocamento paralelo. Em alguns lugares, tais caminhos formam sulcos profundos, com até um palmo de desnível.

Algumas vezes caminhei por estas trilhas, indagando-me sobre as razões de tais curiosas escolhas. Em linha reta, qualquer um ponderado humano, teria chegado ao riacho na metade da distância. Eu teria traçado o caminho com os olhos fixos no objetivo, seguindo diretamente para ele, de forma mais racional, com menor perda de energia.

194

Ponho-me então a rever minha própria vida, meus tantos pontos de partida e as voltas que dei nesta tortuosa e longa jornada de mais de meio século. Parece-me então, que foram justamente os aparentes e supostos desvios de rota, jamais de conduta, que trouxeram sabores e cores aos meus percursos. Concluo que a questão é escolher, sempre respeitados os princípios morais e éticos, priorizando a importância da jornada sobre o valor do objetivo.

Passo a conceber que, as metas e os propósitos não devem ser vislumbrados em enfoque retilíneo, assim como nossas ações e esforços não devem seguir inflexíveis rotas projetadas.

Vejo agora que, somente as mentes estreitas e limitadas em suas experiências de vida, procuram seguir inexistentes e impraticáveis obscuras linhas retas, que unem os interesses aos objetivos, sem permitir desvios para usufruir sombras ou admirar flores no caminho.

152

O tempo me ofereceu subsídios para concluir que “o imenso prazer da chegada curva-se perante a majestade do percurso”.

Darlou D’Arisbo

terça-feira, 24 de junho de 2014

008 – O Jornaleco da Villa

Da série “Memórias da Villa”
 
Por muitos e longos anos, a Villa sobreviveu sem jornal. Entretanto, numa bela noite de lua cheia, após a semanal reunião na chafarica, os fraternos aliados resolveram inventar um jornal.
Na manhã seguinte, no Habeas Corpus Café (compulsório e matutino encontro), após irrefletida decisão conjunta, resolveram inventá-lo. E, pior, alardearam aos ventos, distribuí-lo na próxima segunda quarta de junho, aniversário do “alcaide”, o Dr. Sapien Tisat.

Porém, como ainda em maio só tinham assunto aprovado de meia página, protelaram para após o fim do inverno, quando já estariam filiados os candidatos ao almejado sufrágio da alcaidaria, um tema quente para as noites frias.
Numa reunião seguinte, afirmou o aposentado Coronel Geheime Blitzkrieg, ex-comandante da Jefté (Jovens Escoteiros), em timbre de locutor de rodeio, que, para imprimi-lo com sucesso, haveria necessidade de apenas três coisas: um péssimo equipamento, um medíocre corpo de colaboradores e um sensacional e palpitante assunto.

Em menos de onze semanas, o desacreditado equipamento estava completo, incluindo peças que hoje nos pareceriam assaz curiosas. Havia uma prensa de espremer torresmo que Dona Ultra Petita, mãe do Pastor Meher Licht, trouxe de Santarrosainterland e um engradado de minúsculos tipos metálicos (alguns ainda góticos) que teriam sido reutilizados na Revolução Farroupilha.

Toledo antigo A
 
A imensa máquina de escrever (entenda-se catamilhografar), pesada e preta, cujo mecanismo lembrava os metálicos intestinos de um bonde, foi cedida pelo juiz de paz, Dr. Cedant Toga Armae.
O corpo de colaboradores foi-se aos poucos formando, incluindo nobres autoridades da Villa, como o Dr. Aut Caesar, rábula da intendência e diretor do Gimnásio Casus Belli e sua esposa Aut Nihil, manicura do Bas Fonds Saloon, que prometeram responsabilidade sobre a revisão.

Tinha também o pastor Pluralia Luther Tantum, emprestado da comunidade de Tiggerstrom, um notável e insigne defensor da moralidade que, embora não pertencente à distinta e secreta plêiade, foi adotado pelas suas patentes qualidades. Os apetitosos docinhos alemães preparados por sua esposa, tão doce quanto eles, interrompiam por sedução todas as extraordinárias reuniões vespertinas.

O Professor Propílio Oliveira (o “Gratsmoke”), português de nascido, letrado e neófito, foi encarregado da edição das matérias, mas como poucas lhe chegavam, acabou por desempenhar mais uma página: “Ad Argumentandum Tantum”, um apimentado heterogêneo relatando a desordem social, a menosprezada filosofia e a olvidada moral vigente.

Sim, as mulheres, ainda que inconcernentes à confraria base, também integraram o corpo editorial. As gêmeas Sister e Shwester, cozinheiras do Hotel Avenida, escreveriam gostosas receitas de carne de porco, bicho abundante nos arredores minifúndios da Villa.
Importante foi a caneta tinteiro do velho Oskar (Oldcastle), que, nem velho nem castelar, mas dentre os bons, o melhor.  Trazia os brados contra as inadequações da produção agrária, malhava as extensas plantações de fumo: “Mandioca em lugar de fumo”, afirmava.

Toledo B

Na página policial, cognominada pelo Padre Idalino de “Furandi, laedendi et necandi”, os afros Gibão-boa-fala e o Ataliba, qual engrenagens irmãs, traziam os acontecimentos policiais. Enquanto o Giba trazia as quentes, o Liba enfeitava-as com flores, chumbos e sangues, como se ao microfone da Regional (o GibaLiba), a emissora do estimado doutor Dorvalino.

Na festiva primeira edição, bem ao lado do longo editorial, apareceu o último trecho do oratórico discurso proferido pelo centurião estadual, em visita ao decurião municipal, o que sensibilizou por demais a plebe alfabetizada e leitora, lacrimejando as solteironas e viúvas:
“Aos atributivos pormenores da inigualável e ínfera cânula da epopéica contemporânea, não nos sublimaremos pelos perplexos desânimos fitófagos obstrucionistas, pirilampeando nos enfadonhos trâmites dos genótipos projetantes e representativos” (palmas ensurdecedoras).

Os primeiros exemplares foram, em lombo de burros, entregues às lideranças, em ordem decrescente de importância. Inversamente a esta lógica, as ponderações e críticas (algumas impetuosas), instalaram-se em rápida proliferação.

As soluções apressadas de última hora conspurcaram a pretensa e tranquila atuação do periódico. Ao copiar as fotos, avessaram o negativo do Coronel e apareceu ele, na primeira página, em continência esquerda, recebendo do General virado, a medalha sinistra no peito errado, com um aperto de mãos sestras, sob a bandeira invertida à frente de uma sonora banda de canhotos.

E o nome do jornaleco, que deveria ser Anschluss, insistido pela colônia italiana para “Faccioni”, acabou por Editio Princips (Latim: primeira edição), mas foi incorretamente grafado com “Edilio Príncipe”, o que provocou injuriosa reação pelo representante da família imperial da Villa.

Enfim, o sucesso do empreendimento não residiu em sua intenção informativa, que teve em sua primeira, a última edição. Mas intentou positivamente no sentido de despertar da consciência comunitária e da cidadania. Algo como um malogro sensivelmente benéfico.

A partir do episódico, recrudesceram as adversas opiniões, os debates intensificaram, aliaram-se simultâneas e antes desconhecidas ideias concorrentes, ,...
E a Villa então prosperou.























domingo, 22 de junho de 2014

007 – A Inesquecível Companhia

 

Já fui mais velho quando vim para cá, e insisto em continuar morando aqui. Isto por que Light Lack (falta luz) é um lugar aprazível para se morar, onde todos os cinco bons sentidos da natureza ainda se fazem aqui deliciosos e presentes.

Vivo numa antiga casinha cômoda e tranquila, imersa num bosque paradisíaco, onde energias positivas emanam do subsolo, e gnomos correm pela madrugada a plantar coloridos e perfumados cogumelos.

Único lugar no mundo, onde letras luzidias caem do breu do céu noturno, tais quais floradas, ficam então deitadas coloridas na relva úmida, luminescentes e disponíveis, para que um velho careca e preguiçoso como eu, nem careça procurá-las.

Basta passear sob aquele céu estrelado, que eu sei: tais astros não são estrelas, mas sim potentes e luminosas emissoras de letrinhas, as quais estas, tais flocos, aos poucos tomam conta da minha imaginação.

Quiçá penetradas pelos poros de minha calva, aninham-se em magnífica ordem nos meandros dos meus labirintos cefálicos.

DSC00515

O mínimo que eu podia fazer, de posse desta dádiva celestial, era escrever. E escrevia.

Light Lack era uma região mal atendida, com o sugestivo nome.

Lá, a dualidade do choque energético, colocava de um lado as emanações das forças celestiais, cobrindo tudo de cores, formas, vida,... E de outro, as intempestivas maquinações da noturna bruxa tecnológica, a infernizar de mórbido negro e a quebrar os todos ritmos vitais.

Eu sobrevivia escrevendo artigos para um periódico da capital e, nas vagas horas, um livro, relatando também as tristes decorrências da intermitente falta de energia elétrica.

Embora possuísse um computador atualizado, porém como imediato resultado dos inconvenientes cortes de energia, fui obrigado a trabalhar numa velha e pesada máquina de escrever “Underwood 1921”, minha preferida, pela existência de castiçais laterais, com velas para a óbvia utilização noturna.

Uma vez, eu tentei instalar na velha máquina um sistema de iluminação com pilhas, mas seus sacolejos rompiam os delicados filamentos das lampadinhas.

Assim, além de funestamente preta, ela lembrava um macabro ataúde, toda pingada de vela. Instalei até um suporte, abaixo da tecla dos espaços, para a caixa de fósforos, permanentemente aberta.

DSC00007

A minha baixa remuneração era suficiente para adquirir, além de outras coisas menos importantes; sabão, gasolina, alimentos e velas. Muitas velas.

Bem mais do que os cinco pacotes mensais de velas, em equivalência financeira, que o presidente da Companhia de Luz citava pela televisão, na época, para fazer o tão almejado suprimento de energia.

E, justamente por isso, meu filho não conseguia entender se o negócio do presidente da Companhia era o próspero comércio de velas ou o seu precário serviço de abastecimento energético.

Minha agastada esposa, invejável criatura, no limite de sua esgotável paciência, não suportou a retrógrada situação de falta energética e pediu o divórcio. Afinal, ela jamais podia ter a certeza da utilização de quaisquer eletrodomésticos. As interrupções elétricas desandavam bolos, novelas, vitaminas e roupas lavadas na máquina.

E seus longos e belos cabelos tiveram que ser cortados, pela dificuldade em manter um secador, secando-os. Som, só o do carro, quando ela remendava nossa roupa, com agulha na mão, sob a noturna luzinha do teto.

Uma vez jogou-me, furiosa, o depilador elétrico que lhe presenteei na noite do dia das mães. Tive sorte, ela não me acertou, por que no momento certo, faltou luz.

Banho, nós só tomávamos frio, e com alguém manivelando a bomba manual, pois a elétrica era cúmplice da concessionária. E ferro de passar, era um suplício, pois bastava aquecê-lo, para a Companhia esfriá-lo. Era o tempo certo. Além do que, nossos trajos demonstravam feias cicatrizes de queimaduras, pois que no meio da noite, a Companhia ligava e queimava roupas, pelo nosso escuro descuido de deixar o ferro elétrico sobre elas.

Aliás, era grande a correria noturna, quando voltava a luz. A bomba do poço, intempestivamente acordada na madrugada, vazava a caixa d’água, apodrecendo o forro e inundando a casa. Os cachorros de toda a vizinhança, subitamente despertados pelas lâmpadas externas, unissonavam fantasmagóricos uivos pela noite alta.  E as crianças eram carregadas da sala de televisão, onde adormeciam tentando ver um programa inteiro.

Agora moro sozinho. E já estou me acostumando às faltas da Companhia.

Justamente ela, em suas tantas e desavisadas faltas, me faz atribuir o devido valor à sua infrequente presença.  Bendita seja a falta da maldita.

Post Scriptum:  Na audiência, o juiz só acreditou no estranho motivo da separação, quando ela esposa, afirmou, durante a tentativa de reconciliação, com o indicador em riste, que não me queria mais.. Nem iluminado.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

006 - Um dia de ficar

 
Por qualquer motivo, ou nenhum, num belo dia dá vontade ficar. Não sair e saborear o ambiente restrito: os vizinhos e as árvores, os pássaros e as flores,...
Acorda-se com o ruído dos passarinhos a bicar as sementinhas que caem da árvore sobre o teto do motor home. Embora fechados os obscurantes das janelas, o astro rei penetra pela fresta da clarabóia do teto, pintando de cor o ambiente e flechando meus olhos.
Abrem-se as janelas e dá-se com as andorinhas, às centenas, esvoaçando brincalhonas rentes às coisas: arbustos, chão, postes, telhados,... Incansáveis, na dinâmica brincadeira, assustam os passantes mas não colidem com nada e nenhum. Crianças e passarinhas divertem-se.
Ouve-se o sonoro carrinho elétrico do Josimar (que não lhe sabendo o nome, acabo de nominá-lo em homenagem ao pai de Cristo e ao oceano de aqui perto). Vão ambos lépidos e elétricos, carro e homem, ligar energia ao recém chegado. Formam, pois um dinâmico trio elétrico.
No desjejum, o negro e o branco, líquidos, quentes e adocicados, confundem-se sorvidos, acompanhados por pãezinhos de figos e nozes, ainda mornos, recém buscados na padaria dali. Algumas fatias de presunto espanhol, acamados com queijo Maasdam holandês, depois biscoitos franceses com doce de albaricoque. Delícias que sabem quem não tem pressa.
Depois, preenche-se a manhã com algum ócio criativo (parodiando o Domenico de Masi): uma leitura atrativa, tal atualizar-se com as curiosas estatísticas da União Européia, suas alianças e diferenças entre regiões e países, idiomas e dialetos, credos e finanças,...
Interrompe-se a leitura com cafezinho e uma vasculhada nos lixos da internet (tomara que não inventem-na com odor), pois só caca que recebo e nadica do que anseio.
Cumprimento meus vizinhos, tão diferentes quanto as letrinhas estampadas nas licenças de seus veículos e suas vocálicas de conversações. Mas tão iguais nas intenções nômades de usufruir os percursos do mundo, assimilando as culturas de onde passam, carregando suas majestosas casas sobre rodas.
Os belgas, mais sisudos; alemães com os filhotes loirinhos, franceses com seus cachorrinhos penteados; sobressaem em quantidade os holandeses às dezenas, italianos e espanhóis falando alto, e os ingleses de estranha mão invertida, abrindo as portas opostas às nossas.
Então o nobre almoço, a convite da rainha San, com salmão grelhado, batatas condimentadas inteiras, salada mista e taças de vinho branco do Algarve. Um banquete saboreado no anexo verde do restaurante do camping. Já no motor home, a sobremesa de rocambole com morangos.
A tarde chega, hora de organizar, editar e publicar o blog (felizmotorhome.blogspot.com.br), ouvindo a música da Princesa de Porto Alegre. Lá pela meia, um lanchinho com suco e frutas.
Após, fotografar os bons visuais e características do belo e moderno camping.
Entardece, hora e vez do jantar, leve para compensar o almoço: uma “bruschetta” com cervejinha. Depois um passeio a pé pelas redondezas . E dormir, descansar, pois amanhã não é dia de ficar.
DSC04929
Camping Ria Formosa - Conceição de Tavira- Portugal














sábado, 15 de março de 2014

005 – Falecimento do Amigo Xico

 

Este, escrito na década de 90, foi agraciado com o Prêmio Leminski 2010.

Certamente, as imagens não retratam a realidade do episódio

Estou chocado, entristecido, estupefato, pois o mundo não pode aceitar isso. Há pouco retornei do enterro. Meu melhor amigo se foi. Justamente aquele, meu confessor, cúmplice e colega. Um amigo inesquecível. Comíamos e bebíamos juntos, até no mesmo copo. Um amigo de décadas.

Tantas vezes saímos a quatro: ele e a namorada, eu e a “Tuca”, irmã dela. Certamente não serei o mesmo depois da morte dele.

Enterro

Esta triste história começou ontem, cedo. A “Lu” havia pernoitado aqui, pela terceira vez. Só não dormiu comigo, porque discutimos ao discordar sobre o nome verdadeiro do Silvio Santos. Foi uma discussão besta, concordo, mas no calor da contenda não se pensa nisso. Eu acabei por dormir no chão, neste repentino frio danado, sobre um colchonete duro, parcialmente enfiado sob a mesa de pedra. Passei frio durante toda a noite.

Ela no sofá, na mesma sala de televisão, emburrada e emudecida, tal uma vaca. E, quando acordei, não lembrei onde estava e bati, violentamente, com o nariz na aresta inferior do granito. Sangrando muito, fui ao banheiro lavá-lo, mas estava fechado, pois ela tomava banho. Fechada e furiosa, ruminante microcéfala. Mas estas particularidades não interessam.

Tentei então lavar o nariz no tanque de lavar roupas, onde enrosquei o pé nas minhas roupas sujas amontoadas e caí, com o cotovelo esquerdo na tábua de passar, antes de estatelar-me no chão, com a nádega no degrau da porta. Berrei por ela, o cachorro começou a uivar junto e não resolveu coisa alguma.

Simpsons

Fui então sentar-me na cozinha e chorar minha desgraça, até ouvir o ruído da porta, fechando. Ela nem se despediu. Eu juro que aqui ela não entra mais. É formosa, mas estúpida.

Ao tentar tomar banho, assimilei mais um motivo de fúria dela: o chuveiro havia queimado. O jeito seria tomar um café sem açúcar, que tinha acabado, mas como a cafeteira estava suja, fui me vestir, com muita dor e dificuldade.

O nariz tinha uma laceração entre a cartilagem e o osso, o cotovelo estava roxo e o braço meio bobo, sem comando. Um galo na têmpora, um pequeno corte na orelha e dor, muita dor, no joelho e na lateral da nádega, complementavam a desditosa imagem.

Como tinha que chegar cedo ao serviço, entrei no carro, acionei o portão eletrônico e tentei sair, já atrasado. Claro que, com a chuva torrencial que repentinamente se abateu, o portão trancou.

E lá fui, tal pinto molhado e furioso, desemperrar a imensa e pesada grade metálica. Deixei aberto, para a empregada fechar. Nem lembrei que ela não vem quando chove muito.

Saí em ré, com muita dificuldade e, manobrei quase batendo num ônibus apressado, cujo irritado motorista acenou-me, mostrando ereto, o dedo médio.

Não andei mais que uma quadra e, bem no meio da rótula, para entrar na avenida, desconfiei que a dificuldade em dirigir não era minha, mas sim de um pneu vazio. Desci do carro ali mesmo, para confirmar, quando alguém chamou uma ambulância dos bombeiros a me ver naquele lastimável estado.

camioneta

“Quem lhe atropelou, fugiu?” perguntou-me um passante. Eu queria apenas um guincho e um táxi.  Só isso! E o bombeiro, então chegado, limpou meus ferimentos sem querer entender minha história (pudera!). Obrigou-me a assinar uma negativa de necessidade de atendimento hospitalar e tirou o time.

Eu havia emprestado o estepe pro Xico (agora falecido), ainda no verão passado. Afinal, temos os carros semelhantes e, ao irmos para o litoral, o dele furou dois pneus. E rodas de carros antigos, tais os nossos, são raras e não servem em qualquer outro recente. Nem me lembrava disso. O coitado morreu sem devolver o estepe.

Para encurtar o trecho, duas horas depois eu chegava ao trabalho, sem carro, sem celular (sei lá onde caiu), todo molhado, doído e desesperado.

A secretária (a mula gorda) avisou-me que o diretor me aguardava. E, como era de se esperar, não me permitiu sequer balbuciar a explicação. Ao me dar uma infinda bronca, com o indicador direito apontado, eu não esperei o fim e o mandei à merda. E repeti três vezes, aos berros: “Sua Excelência VÁ À MERDA”.  Eu não aguentava mais.

Desci os cinco pavimentos pela escadaria, caí duas vezes (numa bati com a testa num degrau e na outra virei o dedo médio da esquerda) e só parei quando estava na garagem do subsolo. Mera atividade mecânica, imaginando que o carro estaria lá.

Saí a pé na chuva, mancando de dor na perna esquerda, todo estropiado. Fiquei “séculos” no meio fio, acenando para os raros táxis e, o máximo que fizeram, foi respingar água. Resolvi então aguardar um ônibus e ir para a casa do Xico, pois ele fica em casa, pela manhã.

molhado

Mas sem óculos (deve ter caído com o celular) e com ninguém para me auxiliar, eu não conseguia identificá-los. Depois de várias tentativas frustradas, continuei a pé mesmo.

Passava do meio dia quando cheguei lá e eu mal sentia tato nas pernas. O Xico, logicamente, já havia saído. E, como a rua é deserta, sentei no meio fio e fiquei encostado numa árvore, meditando sobre as maldades da vida. Coisa de alguns minutos e estava repleto de formigas.

Algumas picaram com tal violência que eu arrancava metade do seu corpo e elas não largavam...

Não conseguia imaginar o que mais poderia acontecer. Pensei até em ligar a cobrar para o meu irmão, de um telefone público. Eles existem em todo o lugar onde não se precisa de telefone.

formigas

Voltei para o centro a pé, pois já estava com bastante fome. Mais uma hora mancando e cheguei à Avenida Central, “encontro” das lanchonetes aqui da cidade. Molhado, com visíveis e feios hematomas, manco e com a cicatriz (ainda meio aberta) no nariz, convenientemente escolhi a pior, a mais feia e vazia lanchonete e entrei. Acho que já era meia tarde, não tinha certeza, pois o relógio parou. E, se não tivesse parado, não haveria diferença, pois eu estava sem óculos.

Sentei num dos poucos banquinhos, à margem do balcão, e pedi um hambúrguer e uma Coca-Cola à garçonete. Ela me fitou atentamente (não deveria ser diferente) e depois perguntou se estava me sentindo bem. Deu-me um copo d’água enquanto eu aguardava o lanche. Contei-lhe a história toda, devidamente resumida, enquanto ela empacotava flores. Uma adolescente linda, ela tinha os cabelos claros e me ouviu! Deu-me doce atenção! Era quase tudo o que eu queria. Seria pedir-lhe muito, tomar-me em seu colo e me fazer adormecer, com as suas delicadas mãos a acariciar meus poucos cabelos.

Ela foi um venerável anjo. Ao menos até informar que ali era uma floricultura.

Floricultura

Eu sentia muito cansaço, meio tonto. Mas agradeci e ela amparou-me até a porta. Pensei em ajoelhar-me aos seus pés, divina e linda fada e beijar-lhe as mãos. Se o fizesse, eu não levantava mais. De lá eu deveria ter telefonado para o amigo Xico. Lembro que ela até ofereceu o telefone. Fui uma anta retardada, mas consegui ir caminhando (mancando) no sentido do consultório do Xico.

A chuva havia parado e entardecia uma neblina pesada e morna, presságio de mais água.

Eu já não conseguia comandar plenamente o corpo  e era comum ouvir buzinadas e palavrões ao atravessar as ruas.  Mas a cabeça estava boa, ao menos por dentro. Sentia-me leve, como se voasse baixo.

Perguntei a um guarda, onde teria um telefone público e ele informou que, no quinto quarteirão, bem em baixo de um prédio alto, havia quatro “orelhões”. Tanto trabalho tentando encontrar um e agora eu estava próximo de quatro. Oh, augusta felicidade!

orelhões

Enfim, cheguei aos telefones, situados em frente ao  descrito prédio alto. Era o prédio do consultório do Xico!    Tomei o elevador e, sozinho sentei-me no chão do veículo, valendo-me da desaceleração para erguer-me novamente.

“O doutor Francisco foi pra fazenda, volta amanhã. O senhor quer deixar recado? “ informou-me a secretária, já ameaçando fechar a porta.

Pedi o telefone emprestado e liguei para o celular dele, que estava fora de abrangência. Agradeci e descemos juntos no elevador. Ela perguntou se eu estava me sentindo bem, por três vezes, e não sei por que, pois no térreo sumiu apressada.

Nas proximidades encontrei uma praça, onde sentei num confortável banco, agradecendo aos céus pela existência dele no meu caminho, ante a chuva que recomeçava. Acho que fiquei ali umas duas horas e, como eu não conseguia dobrar o joelho, resolvi procurar uma farmácia.

Ao encontrar um policial, perguntei onde teria uma farmácia ainda aberta e, para minha surpresa, ele respondeu com um sorriso e uma pergunta: “O senhor encontrou os orelhões?”

imagesCA3G9OAB

Surpreendido por reencontrá-lo e pela sua memória, respondi afirmativamente com um aceno da cabeça e, com muita atenção, ouvi sua orientação geográfica. Não foi difícil encontrá-la. Era uma farmácia pequena e sem movimento.

Lá, o infame e solitário balconista, que mais parecia um vendedor de “carnê do baú”, insistiu em me vender mais medicamentos. Saí dali com uma sacolada de coisas. Conseguiu me vender até Phymatozan, Glycerophosphato, Strychnine, Antiphlogistine, Rhinogenol, Leite de Rosas, de Magnésia, de Aveia, de Colônia, Peitoral de Angico Pelotense, Lypocholepatine, Bismutho Geyer e outros produtos, certamente vencidos ou falsificados.

Andei dois quarteirões e, apoiado numa grande lata de lixo, abaixo de uma luminária, eu lia os rótulos e jogava os frascos no lixo. Cada um acompanhava uma gargalhada. Ri tanto que me urinei, pela segunda vez.

Eu já não sentia cheiros e limitava-me a rir das tantas coisas que o infeliz vendeu, além do que me interessava, as quais paguei com meus inúteis “vales-refeição” vencidos.

Voltei para o bairro, exaurido e sem saber exatamente como. Só sei que me flagrei sentado no bar do velho Antenor, onde eu e o Xico nos encontrávamos intermitentemente, o que agora (oh! meus santos), nunca mais o faremos.

Por alguns minutos fiquei ali, ao lado de “outros” bêbados, cada qual mergulhado em suas dores e odores.

Bar do Antenor

Antes de beber, em lágrimas dissimuladas, agradeci ao Supremo Criador por tudo o de bom que havia me oferecido.

Afinal, eu nunca fui um exemplo de coisa alguma. Como amante eu deixei a desejar em todas as chances que tive. Como motorista, atropelei um cachorro e dois gatos. Meus irmãos pouco me ligam. Para minha viúva mãe, não recordo ter feito algo de bom. Também pudera, ela me detesta... Ou é o  irmão caçula que ela odeia??...

Eu não lembrava mais. Também, já não fazia diferença quem ela detesta ou detestava, nesta altura do campeonato perdido. Eu estava embriagado e, mesmo antes de beber, confundia as idéias e as conclusões.

Agora é beber e depois ir para casa, se conseguir chegar moribundo até lá”, pensei.

Eu já não enxergava bem, nem o copo ainda cheio, quando chegou alguém por trás e falou meu nome, carinhosamente. Ainda consegui me virar e ver o Xico, meu querido amigo Xico.

A telepatia funcionou, meu aguardado amigo Xico”, balbuciei.

Eu estava em lágrimas. Mas não deu tempo.

Então eu o abracei, ele rapidamente pegou meu copo e, na mais ingênua ignorância, com sofreguidão, bebeu todo o meu veneno, guaraná com estricnina.

Pé

(A insolidez da vida é par à tangibilidade da ficção)

Darlou D’Arisbo

quinta-feira, 13 de março de 2014

004 - “Tim Prim”, Meu Garçom Predileto

 

As ponderações do garçom, após meu retorno da Europa. (falhas ortográficas são originais vocais)

 

…“Bom dia, o que o doutor deseja beber?

CHAMPANHE?? A esta hora da manhã?!  Será orientação médica?   Oh, desculpe minha indiscreção...  Ah, entendi, diversus acontecimentus dignos de comemorá.

Que bom.... Alemã, Raritäten Gestärtke??    Não, infelizmente, essa não temus...   Serve Peterlongo? Num barde com gelo, craro.    Temus um, bunito, prateado e pulido.

Pronto, doutor ! Cá está.   O sor tá sozinho?  Posso sentá ao seu lado, doutor?   Eu gostu de lhe ouví, e stamus sem movimento a essa hora da manhã.

Foi uma noite memorável?!   Ah, quarenta e uma! “Pôra!”  Ah, descurpa,...entendi agora, foram quarenta e uma noitis.

Vortou onti da “Oropa”, parabéns.  É o que eu mais deseju; tê a oportunidadi de podê, um dia, conhecê a Oropa.   Tenho um ex-colega que tá lá,.. em Novaiorqui.

Eu nunca tive motivus pra comemorá, ...muito menus cum champanhe. Ah, brigado. Vou buscá uma taça prá mim.

Garçon

Tin tim, brindemus aos seus motivus, doutor... já que eu num tenho.

É??  O filho deixou o seu carro ligadu por vinte e seis dias?   E o irmão não pagou as contas, a serra elétrica queimô, a mãe tá irritada, us chinelu sumiru, a geladeira fedeu comida apodrecida, o seu salário não foi pago, cortaram o telefone, a VASP cobrô duas veis o trecho da viage, foi exoneradu, a faxinêra faxinô a casa e agora o senhor tem que consertá??.... Essa úrtima eu não entendi!?

Ah, quando ela varre, arranca rodapé! Quando tira o pó, quebra bibelô ...  Arrasta móvel, tira seus carços e ficam capengas... Aí sacode o armário, balança u microonda e derrama us leite, molho, chá e fica um fedô danadu...     Ah, tirô a geladeira do lugá. Agora a porta não fecha?

Guardou as coisa? Ufa, ainda bem, alguma coisa de bom que a empregada fez!

Ah, não? Agora só um Procuradô da Repúbrica prá encontrá as coisa?

Suas indu indu mentárias dobrada? Não intendí?

Ah, dobrô, cueca, casaco, meia, gravata... tudo junto,  misturado ingual salada?

É, mudou a moeda, aumentô as comida, subiu a gasolina.

Mas tô ficanu contente, dotô.   Não, não é cum a situação, achcho qui é cum a chachampanhe...

Tá frio, sim. Frrrio do carvalho, cappfalho.  Oh, dessscurpe, ressspinguei o sinhô, dotô ??

O sor não vai no jantá oficial, puurque o casacu tá drodrobrado? E não achou a gravata? Tem pobrema naaão, dotô.   Empresto uma minha. É barbuleta preta. Tenhu um monti.  Amigo é préssssas coisa.

Não, dotttô, não tenho mãe, nem irritada.  Também não, nunca tive. Nem automóve, filhu, serrrrelétra, fafachinera..   Carços nos móvis ? Não, (risos) nem móvis.

Ah, ah, ah, morrrro de rrri...

Otra chchampanhe prá brindá a minha sorte ??  Craro, é prá já.

taça quebrada

Popronto dotô.  Tinnnnnn Primmmm .. Oh, quebrôôô !!!”

(Saudades da Europa / agosto de 1993)

terça-feira, 11 de março de 2014

003 - O Melhor dos Vinhos

 
Nesta postagem, uma excêntrica história da série “Crônicas” e escrita há décadas. Obviamente as fotos não revelam exatamente as imagens do episódio.
As crônicas desta série constituem nada mais que o cultivo de pérolas no mar da vida. Um reflexo oportuno, relatando numa interpretação imaginativa, ficcional e subjetiva, algumas passagens da minha existência
 
O Melhor dos vinhos
Talvez eu não devesse ter ido. Mas tantas vezes se faz alguma coisa por mero ímpeto. Coisas simples, curiosidades, coisinhas enfim. Fazemos, às vezes mecanicamente, até sem interesses em resultados. Normalmente não nos trazem problemas estas coisinhas, embasadas no “ir ou fazer”. Assim vamos, quando alguém nos chama, mesmo sem saber quem nos chama ou o que quer nos informar.  
Mas enfim, eu ainda tenho dúvidas se deveria ter ido. Coisa que já informei lá no início. Ora, costumamos dizer “eu não deveria ter feito” quando já feita, ou até justamente por isso. E, em vezes, as consequências são agradáveis, outras não. Pois desta vez sim: agradável e curiosamente estranha. Ou o inverso: curiosa e agradavelmente estranha.
Era uma estrela cadente, destas como mil por aí. Estávamos os três na varanda fresca do gracioso apartamento do casal de amigos.
Interrompi bruscamente o assunto e exclamei pro Xico: “olha lá”. Apontei ao lado direito da coluna do prédio, na direção sudoeste.
“É um meteorito, e deve ter caído perto, pois notei que sua luz desceu aquém do pé da última colina”, eu disse.
Coisa de uns sete quilômetros, pensei. Tive vontade de ir lá e vê-la: a gota caída do céu, estaria ainda vermelha em brasa.
O Xico (médico, amigão, cético e lerdo) respondeu:
“Deve ser alguma estrelinha caída de tua fértil imaginação...”
Já a Miri, sua esposa, foi ao menos mais polida, ao dizer:
“Tens direito a três pedidos...”
“Ajudar plenamente alguém, brincar com uma criança e saber cativar uma doce mulher..” respondi.
Ela fitou-me profundamente e disse, lá do fundo:
“Boniiito...”
“Eu pediria um estetoscópio eletrônico, uma Ferrari zerinho e clientes ricos.” falou sorrindo o Xico.
O assunto era vago, a cerveja acabada, a noite avançava e a Miri, disfarçadamente, bocejava... Forcei também um bocejo e, com ele justifiquei a despedida do casal de amigos.
Tomei o carro e, sob os seus acenos, deixe-os abraçados, na mesma varanda.
Eu ia ao hotel, onde estava hospedado, mas a noite convidava a passear.
Parecem existir, cá no interior, mais estrelas que nas capitais e, cada uma delas aparenta sussurrar algo. Cada qual encerrava algo, tal um sigilo.
Diminuindo a velocidade, parei o carro. As estrelas fascinavam-me.
478a
Curioso, acionei a partida e aprumei o carro para o sudoeste. Desci todo o vale por uma estradinha sinuosa e escura. Assim como um cubículo corredor, com florestas silenciosamente adormecidas aos lados, curvas firmes e lógicas à frente, lúgubres no retrovisor escuro.
O chão, quente e natural, parecia que eu tentava acordá-lo com os faróis. E, acima, uma contínua faixa daquilo que apelidamos céu e, que no fundo, não sabemos exatamente o que é.
Ao fim de uma descida suave, então quase plana, vi à direita, algo como se fosforescente, a uns vinte metros ao lado da estrada. Um louco e suave impulso me fez, a pé, ir até lá.
Eram metais treliçados, em forma de tubos fosforescentes. Ou vidros cilíndricos como lâmpadas tenuemente acesas e levemente dobradas.
Em conjunto, aqueles tubos formavam algo como uma escultura moderna e curiosa. Uma composição geométrica. Era uma “coisa” indescritível. E, aquela sensação infantil e curiosa de descobrir algo, tomou-me, a esquecer de perigos, bandidos, animais noturnos e coisas assim.
A estranha “coisa” estava parada, imóvel, silenciosa. Parecia emanar dela, uma impressão de paz.
Não acredito que seus “raios”, de sutil luminescência, ativassem meu cérebro para sentir aquela feliz serenidade similar de quando, por exemplo, se encontra uma concha azul, em forma de sino, na tranquilidade da beira mar...
Cheguei bem próximo e, com o medo esquecido, toquei-a com a mão. A tal estrutura parecia ter brotado ali. Era fria, composta por um conjunto de canos paralelos e curvos, com ligamentos em forma de transversinas. Pareciam ocos semitransparentes e, internamente iluminados, assim como fracas e finas lâmpadas fluorescentes. Tinha o tamanho pouco menor que meu carro.
Na parte superior e ao centro, os canos suportavam mantas de espuma plástica (ao menos pareciam). Assim como confortáveis e delicadas cadeiras de dentista, sobrepostas.
Abaixo, também englobada pela estrutura, havia uma parte em forma de caixa, fosca e escura, com as arestas arredondadas.
Rodeei-a, tentando visualizá-la melhor. E atrás, três pequenas antenas, como se constituíssem o cume de uma deitada pirâmide triangular.
Pensei em voltar rápido para a cidade e buscar alguém para testemunhar o meu achado (ou meu sonho).
Porém, como aquilo poderia não acontecer novamente, resolvi ter certeza de não sonhar, confirmando sozinho a existência do tal bólido.
Seria temerário denominá-la uma nave extraterrestre ou coisa parecida. Ou relacioná-la com a estrela cadente.
Eram duas confortáveis e delicadas poltronas (quase camas) sobrepostas e suportadas por uma estrutura fosforescente amarela. Como se fossem tubos translúcidos com gás incandescido. Eu estava deslumbrado. E a tal caixinha preta, seria o motor? Sentia-me muito tenso. Não abalado, mas por extrema curiosidade.
Apalpei esta tal caixa. Era como o todo: fria e fechada.
Seria impossível tal cubo, do tamanho de uma caixa de refrigerantes, servir de máquina para uma nave espacial ou um helicóptero, seja lá o que fosse aquilo! Não havia entrada de ar, ou saída. Apenas um bloco fechado com três anteninhas, embaixo de duas esbeltas poltronas...
“Devo imaginar outra hipótese, isto não é uma nave espacial” pensei.
Cheguei a exclamar, sonoramente, para o negro eco noturno:
“Isto não é o que parece ser!!!”
“É, sim !” respondeu-me uma voz, logo atrás.
Foi o suficiente para eu me conscientizar e pasmar. Era uma voz de mulher, resoluta e delicada, pensei, sem ter coragem de virar-me ou encará-la.
“Você está armado?” perguntei-lhe, forçando ignorar sua patente feminilidade..
“É um veículo capaz. Mais do que os que tu conheces” falou, ignorando minha pergunta.
Vi minha sombra trêmula, projetada num arbusto à frente, o que me fez concluir que a pessoa estivesse caminhando em minha direção, com uma lanterna na mão. Ou com alguma luz difusa, sem foco concentrado, amarela e inconstante.
“Semelhante a uma vela acesa!” respondeu-me, adivinhando minha dúvida.
Num sobressalto, virei e joguei-me de bruços no chão úmido, num bobo ímpeto de escapar de possíveis disparos de arma. E, ao encará-la, fui tomado de pasma comoção.
Era uma bruxa. Ou tinha tudo para ser. Deitado que estava, observei-a de baixo para cima. Sapatos baixos e grandes, pretos, enrugados e foscos. Seus pés, imensos, não eram paralelos.
Formavam um ângulo de uns 20 graus. Vestia uma bata (um saco) de tecido pardo e folgado. Coisa de dois números maior que seu estreito e angular manequim.
Bruxa do conto
Sobre esta, tinha um casaco (ou jaqueta), com mangas muito largas, sem gola, vermelho ou roxo. A mão esquerda segurava a tal vela, ou algo semelhante, com a chama dentro da cera, sem candelabro ou suporte. A direita firmava um reluzente bastão metálico, de aproximadamente um metro.
Seus dedos eram suficientemente longos para, cada um, dar duas voltas na vela (ou no tal bastão). Eram magros, com as juntas grossas e unhas compridas e agudas. Seu rosto era “incomportável”. Tinha traços humanos, mas era destituído do menor senso estético. A boca, sempre semi fechada (mesmo quando falava), tinha lábios enrugados, pálidos e mortos como toda a pele aparente. As laterais côncavas com os ossos zigomáticos salientes. O nariz, longo, afilado e torto para a esquerda, com uma grande verruga lateral direita. Os olhos pareciam mergulhados em ninhos de rugas de pele. Eram claros, diretos e brilhantes. Um lenço (ou algo parecido), da cor do casaco, cobria-lhe a cabeça.
“A luz da vela identifica-me, iluminando minhas cores, nariz, verruga e olhos.. E dá sombra às minhas rugas, tal como me conheceste na noite das meias comentou ela, já imóvel e próxima.
Lembrei-me que, há onze anos, viajávamos eu e a Beatriz (a qual semi adormecida, reclamava do frio nos pés) pelo oeste de Santa Catarina, numa madrugada fria e chuvosa. Ao encontrar uma infeliz e solitária velha, no acostamento, eu parei o carro e ofereci carona. Ela não aceitou e disse-me que estava ali, à margem da estrada, aguardando-nos para oferecer o par de meias longas e grossas....
Incrédula até hoje, a Beatriz guardou as tais confortáveis meias do inacreditável sonho, que eu nunca entendi.
“E o que vais me oferecer desta vez?” perguntei.
Novamente ignorando a pergunta, ela apontou com o bastão, a poltrona superior, dizendo-me:
“Instala-te”.
A princípio não entendi e ia perguntar, mas lembrei que ela evitava responder. Levantei-me apreensivo, coloquei o pé esquerdo sobre algo que parecia um degrau, o joelho direito sobre a espuma fofa e deitei-me.
Então, devidamente instalado, notei que a tal poltrona era tão aconchegante, que se assemelhava a uma forma de mim. Era cômoda e confortável.
Olhei o céu muito estrelado e senti vertigem. Medo de cair naquele infinito vazio escuro.
Ela chegou perto de meu rosto, mas não senti seu calor. Supus que era fria como a luz de dentro dos canos. Vi seus olhos tão de perto, tão brilhantes, que pareciam minúsculas lâmpadas incandescentes. E o nariz, imenso e curvo, seria dispensável, pois ela não parecia não respirar.
“Para cheirar!” respondeu-me imediatamente.
Sem dúvida, telepaticamente, ela captava meus pensamentos...
E, segurando na ponta das unhas, colocou minúsculas pastilhas (ou comprimidos) nas minhas narinas.
Tomado pela decisão de assistir o “filme” até o fim, eu não ousava discordar.
“É um leve cloridrato de prometazina, para aliviar a sensação de vertigem!” disse-me, como sempre, delicadamente.
Senti um volátil e débil odor salgado, mas acabou logo.
Observei que ela acomodou-se na poltrona inferior e, logo após, tentei em vão elevar a cabeça cada vez mais pesada. Consegui observar meu carro, ainda com os faróis ligados e depois as luzes da cidade distanciando-se ...ao alto !
Eu me sentia muito bem e não experimentava frio nem calor.
FOTO da Terra
Vi, depois, as estrelas sobre mim desviarem-se para a esquerda, confundidas com o horizonte e algumas aglomerações luminosas. Talvez fossem vilarejos.
Não senti movimento algum e parecia estar parado a grande altitude, num espetáculo negro, salpicado de tênues luzes e cores, esperando o movimento dos continentes na contínua rotação de nossa amada Terra.
Não tive tempo para refletir, ou tirar conclusões. Foi muito rápido e, quando senti frio, já estava aqui nesta cabana pequena e acolhedora, com uma lareira acesa, à esquerda. À frente, numa mesa decorada com toalha branca rendada, um jantar estranho e apetitoso, uma garrafa de vinho e duas taças de cristal.
Atentei ao rótulo da bebida: lá, a paisagem de um antigo lugarejo com rua estreita e pavimentada com pedras grandes, casas de fachadas em estilo árabe, com pequenas e ornadas sacadas metálicas.  Na rua, desenhada também uma bela moça transportando um balde com uvas.
Em letras neogóticas, li naquele rótulo: “Viño Rioja - El Mejor Viño de España.”
A linda jovem do rótulo, então surpreendentemente sentada à minha frente, ergueu sua taça e convidou-me a brindar: “salud”.
 
(arredores de LOGROÑO / Espanha - dezembro de 1976 )





























































































domingo, 9 de março de 2014

002 - O Resgate do Cabo

 

As postagens “contosdarlou.blogspot.com.br” englobam histórias, crônicas, metáforas poéticas, artigos e outros.  Nesta série “Causos de Bombeiros”, são relatadas histórias reais vivenciadas no contato com esta nobre corporação, que goza de extraordinário prestígio em todo o mundo e, que tive a honra de participar por 14 anos.  

“É vedada a utilização de quaisquer informações aqui contidas, para fins lucrativos ou comerciais, sem autorização expressa de seu curador, sob pena de indenização judicial.”

Com nosso pequeno motorhome, eu e minha esposa viajamos bastante e, eventualmente procuramos abrigo estratégico em quartéis, onde os colegas, de tão nobre profissão, sempre nos recebem de forma elogiável.

Em alguns casos, como o relatado, as instalações são muito precárias, com diminuto efetivo, poucas viaturas, equipamento obsoleto e ineficaz. Elementos estes agravantes a qualquer sinistro e que parecem ali estar para testar a capacidade inventiva destes abnegados heróis.

DSC00364

Havíamos chegado ao entardecer, numa pequena cidade do interior de Santa Catarina, em pleno e rigoroso inverno. Estacionamos o motorhome ao lado do minúsculo “quartel”, característico da citação, cujas viaturas (uma velha Caravan e um obsoleto Mercedinho) aguardavam em rampa a possibilidade de “pegar no tranco”.

No prédio, uma humilde salinha de recepção com mesa e duas cadeiras, um apertado e indigno alojamento com dois catres e dois colchonetes no chão. Ao lado, uma cozinha com fogão central à lenha, confortavelmente aceso e cinco bancos ao redor. Três soldados, um cabo e um amigo deliciavam-se a sorver o quente chimarrão, contando “causos” na comodidade térmica do ambiente, aguardando a troca de turno e rogando aos céus para que nenhuma emergência noturna viesse alterar aquela morna tranquilidade.

Após as apresentações de praxe, liguei o “cabo” elétrico (extensão) do motorhome na cozinha, (única tomada de energia funcionando), tomei um chimarrão com os presentes e, graças ao frio e chuva fina, recolhi-me à nossa pequena casa rodante, onde jantamos e fomos dormir, para seguir viagem no início do dia seguinte.

257

Pela manhã, dirigi-me à cozinha do “quartel”, onde outra equipe havia substituído a anterior e estava absorta em seus “causos”, mitigando o frio no quente mate amargo, com os pés sob o fogão fumarento.

Como eu não havia sido apresentado a esta nova turma e, a informação da anterior possivelmente sido incompleta, um soldado levantou-se, surpreendido ao se flagrar invadido no ambiente intimo, e inquiriu-me, severamente:

-“O que o senhor deseja?”

Esbocei um sorriso amistoso e, em patente ingenuidade, não imaginando uma possível segunda interpretação, respondi:

-Vim apenas resgatar o “cabo”! (elétrico, obviamente)

Ao ouvir a inesperada sentença, o cabo (bombeiro) deu um salto de trás do fogão e, aparentando a mais inesperada situação, perplexo e incrédulo, limitou-se a me encarar sem nada dizer.

Depois das explicações (cabo elétrico e cabo militar), gargalhamos juntos ao redor do fogão.

Certamente eles terão mais um “causo” para as próximas trocas de turma

B. motorista

sexta-feira, 7 de março de 2014

001 - A Majestade do Percurso

 

Certa vez, visitando a cabina de um imenso avião, informou-me o piloto que ele perde massa corpórea a cada viagem. A exaustiva atenção necessária aos instrumentos de comando, lhe gasta o próprio corpo, pois tem de observar e dirigir dezenas de pontos de controle em seu monstro alado.

Cá, hoje, em meu insigne e terrestre ônibus apartamento, somo quarenta destes, a me exigir atenção. E, se em menor tensão, certamente em maior aprazimento. Alguns destes comandos exigem movimento do meu corpo, outros apenas rotam os olhos. E tem também os que sensibilizam os ouvidos, ou outros sentidos ainda menos tangíveis, como a memória, a saudade, a expectativa...

Tenho aqui retrovisores, tais magníficas telas de radar, pedais sincronizados em enérgico jogo de caminhar parado, ponteirinhos a comentar a velocidade, rotação da máquina, quantidade de combustível, distância percorrida. Rolinhos de números correm sem parar - tal o percurso de minha vida - e desfilam algarismos sem fim.

194

Los Caracoles – Chile - 2012 

Seguro firme a grande e negra argola da direção, desviando os buracos da via danificada, teimosa quanto a do meu rumo, a evitar os obstáculos da minha existência.

Alavancas longas e curtas, aqui e ali, uma pisca a ultrapassagem, outra muda a marcha. Trotes curtos, galopes longos à centena de sonoros e vigorosos cavalos que me tracionam...

Sons às dezenas. De válvulas reguladas ou ventos barulhentos. Alguns curtos e triviais comentários, outros longos assuntos com a amada navegadora, ou distantes vozes das curtas ondas da Rádio Guaíba de Porto Alegre, companheira de sempre.

Cheiros de flores dos matos passantes, fecais das vacas do caminhão à frente, bicho morto estupidamente atropelado, fumaças das secas criminosamente queimadas...

À noite, vez em vez, meus olhos conferem o festival de luzinhas do painel. Delicadas, azuis, vermelhas, verdes e amarelas, lembram luminosas alegorias do natal cristão e informam sobre o sistema de freio, pressão do lubrificante, funcionamento dos faróis, proteções de segurança, ...

P3252809aCarcassone – França - 2013 

Puxo, empurro, torço, aperto botões funções que ligam, acendem, lavam e limpam o pára-brisa, berram buzinas...

O cinto diagonal aperta-me a segurança, minha coluna tende a arquear, reacomodo-me. Auto avalio-me a cada ação e regozijo-me no poder. As decisões intermitentes e acertadas, alimentam meu ego ao exercitar meus sentidos. E o comando do veículo me oferece imponência. Neste trono sou o rei sobre as toneladas desta morada rodante.

Minha fiel comissária de bordo, doce anjo de minha guarda, oferece água gelada, guloseimas e biscoitos salgados, alerta pela chegada dos inesperados quebra-molas, sempre vigilante aos traiçoeiros radares.

139r  Gruyeres – Suiça - 2013

Os frios e calores têm, na porta, manivelados seus ventos. Outros ares inferiores aventam as canelas por baixo do painel. Os laterais circulam e os esfriados superiores balançam os poucos fios que na “torre” ainda me restam.

Visuais? Oh! Fantásticos, coloridos pelos deuses, tridimensionados por mim, vou saboreando e deixando-os para trás, ao percorrer o fugaz e acinzentado tapete desleixado e cariado. Ficam no passado, gentes, vacas, cavalos, crianças, cachorros, pássaros, andarilhos,... Pisco luzes ao alertar colegas passantes, buzino-lhes cordialidade,...

051

Schonau – Horben (Alemanha) 2013

Por fim, a ansiedade da chegada na comunhão, indescritível sensação de encontrarmos vivos, alegres e felizes os nossos queridos amigos, nos impulsiona e resume o motivo deste árduo e fascinante deslocamento, na majestade do percurso.

Prof. Darlou D’Arisbo (Dan) 07-03-2014